São díspares, com certeza, os caminhos percorridos por Abílio Febra, Albino Moura, José Narciso e Vítor Pi. O que os distingue e, de igual forma, os unifica é o percurso por eles efectuado numa constante procura e consequente encontro com a transcendência, através da qual toda a Arte emana.
Aquando da visita a esta exposição, assiste-se ao despoletar de emoções fugazes que persistem em deambular pela estrada do tempo. Um tempo que, em jeito de confissão, deixa marcas para a eternidade e que em “Hoje” podem ficar suspensas por breves momentos.

Para que “Hoje” não seja apenas um reflexo inanimado do que se fez ontem nem tão pouco um impasse para o que irá ser feito amanhã; para que se faça sentir em toda a sua plenitude ... “Hoje” são todos os dias – de 2 de Fevereiro a 8 de Março.